Notifique:
Reações adversas ou problemas relacionados com medicamentos, incluindo as vacinas
Fabrico e Importação
de produtos para combater a COVID-19
Laboratórios Clínicos Privados
autorizados a realizar testes - SARS-CoV-2
Modelos
de Plano de Contingência para estabelecimentos alimentares
previous arrow
next arrow
Slider

Tire suas dúvidas sobre os Medicamentos Genéricos:

Sim. Qualquer medicamento, exceto os de venda livre, seja de marca ou genérico, deve ser vendido mediante prescrição médica. A automedicação é uma prática perigosa.

Os Estados Unidos da América (EUA) e muitos países da Europa já adotam políticas de incentivo à utilização de medicamentos genéricos há mais de 20 anos. O mercado mundial de medicamentos genéricos cresce, aproximadamente, 11% ao ano. Nos Estados Unidos, a participação do receituário de genéricos alcançou cerca de 42% das prescrições. Os EUA, o Japão e a Alemanha representam cerca de 60% do mercado mundial de genéricos, cuja expansão é inevitável.

Sim. O medicamento genérico tem a mesma eficácia terapêutica que o medicamento de marca ou de referência. O medicamento genérico é o único que pode ser intercambiável com o medicamento de referência, visto que foi submetido ao teste de bioequivalência.

A biodisponibilidade relaciona-se à quantidade absorvida, a velocidade do processo de absorção do fármaco libertado e a forma farmacêutica administrada. Quando dois medicamentos apresentam a mesma biodisponibilidade no organismo, a sua eficácia clínica é considerada comparável.

O teste de bio equivalência consiste na demonstração de que o medicamento genérico e seu respetivo medicamento de referência (aquele para o qual foi efetuada pesquisa clínica para comprovar sua eficácia e segurança antes do registo) apresentam a mesma biodisponibilidade no organismo. A bio equivalência, na grande maioria dos casos, assegura que o medicamento genérico é terapeuticamente equivalente ao medicamento de referência, ou seja, que apresenta a mesma eficácia clínica e a mesma segurança em relação ao mesmo.

O medicamento genérico deve possuir equivalência farmacêutica em relação ao seu respetivo medicamento de referência, ou seja, deve conter o mesmo fármaco, a mesma dosagem e forma farmacêutica. O teste de equivalência farmacêutica é realizado "in vitro" (não envolve seres humanos), por laboratórios de controlo de qualidade.

São, normalmente, medicamentos inovadores, cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente, por ocasião do registo junto ao Ministério da Saúde. São os medicamentos que, geralmente, se encontram há bastante tempo no mercado e tem uma marca comercial conhecida.

São aqueles que contém o mesmo fármaco (princípio ativo), na mesma dose e forma farmacêutica, é administrado pela mesma via e com a mesma indicação terapêutica do medicamento de referência no país, apresentando a mesma segurança que o medicamento de referência no país, podendo este ser intercambiável.

Os fabricantes de medicamentos genéricos não necessitam fazer investimentos em pesquisas para o seu desenvolvimento, visto que as formulações já estão definidas pelos medicamentos de referência e que servirão de parâmetro para o fabrico. Outro motivo a ser considerado diz respeito ao marketing. Os fabricantes de medicamentos genéricos não necessitam fazer propaganda, pois não há marca a ser divulgada.

Pela comprovação da boa qualidade do medicamento genérico e pelo menor custo, em relação ao medicamento de referência.