As doenças transmitidas pelos alimentos representam um desafio para a saúde pública. Alimentos não seguros são responsáveis, anualmente, em todo o mundo, por 600 milhões de casos de doenças e 420.000 óbitos. Os riscos das doenças transmitidas por alimentos incluem uma variedade de bactérias patogénicas, vírus, parasitas, toxinas prejudiciais e produtos químicos capazes de causar uma infinidade de doenças, desde infeções do trato digestivo até o cancro.

No Dia Mundial dos Direitos do Consumidor, a Entidade Reguladora Independente da Saúde (ERIS) enaltece o papel dos consumidores como agente ativo no controlo da segurança dos alimentos e promotor de boas práticas no mercado global de alimentos, o que cria a necessidade de terem acesso a informações científicas como ferramenta essencial para a identificação de situações de risco, nomeadamente, sobre os requisitos sanitários aplicáveis aos alimentos, assim como sobre os principais agentes de doença associados aos alimentos.

 

O que são doenças transmitidas por alimentos (DTA)?

Doença transmitida por alimentos é uma expressão que se aplica a todas as doenças resultantes do consumo de alimentos contaminados por bactérias, vírus, priões, parasitas e produtos químicos, bem como por biotoxinas. As mais comuns são as provocadas por agentes biológicos, tais como bactérias, vírus, parasitas e biotoxinas, podendo despoletar quadros agudos infeciosos ou de intoxicação, respetivamente. Neste caso, identificam-se dois conceitos de doença aguda distintos:

  • Infeção: causada pelo consumo de um alimento contaminado por microrganismos que causam a doença, tais como bactérias, parasitas, vírus e priões.
  • Intoxicação: causada pelo consumo de alimentos contaminados por produtos químicos, toxinas produzidas por certos agentes biológicos, incluindo os microrganismos, ou com toxinas que podem já estar presentes no alimento.
  • Toxinfeções: termo aplicado para descrever as duas situações acima em conjunto.

 

Todos estamos suscetíveis a contrair doenças transmitidas por alimentos (DTA), mas certos grupos populacionais enfrentam maior risco de complicações graves. Crianças, bebés, gestantes, idosos e indivíduos com o sistema imunitário comprometido estão entre os grupos mais vulneráveis.

 

 

Quais os sintomas associados a toxinfecções de origem alimentar?

Os sintomas dependem da causa da doença. A manifestação dos sintomas pode ocorrer de forma imediata, logo após a ingestão do alimento, ou após vários dias ou semanas. Na maioria dos casos de toxinfeções, os sintomas surgem entre 24 a 72 horas após a ingestão do alimento contaminado. Algumas pessoas adoecem após a ingestão de apenas um número reduzido de microrganismos nocivos, e outras permanecem assintomáticas mesmo após a ingestão de milhares deles.

Os sintomas mais comuns incluem:

  • dores de estômago;
  • dores de cabeça;
  • vómitos;
  • febre;
  • diarreia.

 

Como os agentes causadores de doença contaminam os alimentos?

Os microrganismos que causam doenças são denominados de microrganismos patogénicos. No entanto, nem todos os microrganismos causam doenças em humanos. Por exemplo, algumas bactérias são utilizadas de forma benéfica na fabricação de queijo e iogurte.  Os fungos também são muito usados na fabricação de produtos de panificação e pastelaria e certos tipos de queijos.

De entre os microrganismos causadores de doenças, as bactérias têm importante destaque, visto a facilidade de transmissão e seu nível de proliferação a nível global. Milhares de bactérias estão naturalmente presentes no nosso ambiente (solo, água), incluindo as patogénicas, podendo também ser originárias dos animais e das pessoas (intestinos, boca, nariz, mãos, unhas e pele, fezes).

Portanto, as bactérias podem contaminar os alimentos através de várias vias, por contacto direto ou indireto com fontes de contaminação. Por exemplo, as mãos das pessoas são responsáveis pela disseminação de vários tipos de bactérias. A contaminação também pode ocorrer mediante o contato dos alimentos com objetos contaminados. Além disso, os animais constituem potenciais fontes de contaminação.

Assim, no caso de manifestação dos sintomas acima elencados, procure assistência médica, principalmente se pertencer a um grupo de risco. Em casos de sintomas persistentes ou graves, como diarreia com sangue, náuseas intensas, vómitos excessivos ou febre alta, busque assistência médica imediatamente.

Caso se evidenciar que os sintomas estão associados a um quadro de toxinfeção alimentar será importante que o paciente identifique as possíveis fontes, efetuando neste caso a descrição pregressa de ingestão de alimentos nos últimos dias. Se se suspeitar que o alimento está relacionado a um evento, ou a estabelecimentos do setor alimentar, ou se for um produto comercial, comunique esta informação às autoridades sanitárias competentes.

As boas práticas de higiene e manipulação de alimentos são fundamentais para prevenir a ocorrência de contaminação dos alimentos.

 


Para obter informações mais detalhadas sobre as boas práticas de higiene e manipulação de géneros alimentícios, consulte:

 

 


ALGUMAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE TOXINFEÇÃO:

Bactéria

Alimentos associados / possíveis fontes de contaminação

  

Exemplo de medidas de prevenção

Campylobacter jejuni

Água contaminada, leite não pasteurizado, carne, aves ou mariscos crus ou mal cozidos.

 

-Cozinhe os alimentos a uma temperatura acima dos

70 ºC, visando a destruição dos microrganismos.

Clostridium botulinum

Alimentos inadequadamente enlatados, alimentos embalados a vácuo.

 

-Não utilize alimentos enlatados cuja embalagem apresenta-se danificada ou que mostrem sinais de inchaço, vazamento, perfurações, furos, ferrugem ou amassados.

Clostridium perfringens

Carnes, produtos cárneos e molhos.

 

-Assegure-se de manter os alimentos aquecidos em temperaturas adequadas e os alimentos que necessitam de refrigeração devidamente refrigerados.

-Uma vez que o alimento é cozido, ele deve ser mantido quente, a uma temperatura interna de 60 °C ou mais.

-Descarte todos os alimentos perecíveis deixados à temperatura ambiente por mais de 2 horas;

Cryptosporidium

Solo, água contaminada, incluindo fontes recreativas (piscinas ou lagos), alimentos crus.

 

-Lave as mãos com água e sabão antes e depois de manusear alimentos e depois de ir á casa de banho, trocar fraldas e manusear animais de estimação

-Não consuma água não tratada de poços,  nascentes, lagoas e cursos de água.

Escherichia coli O157:H7

Carne bovina crua (especialmente carne moída), leite não pasteurizado, frutas e vegetais crus,  água.

 

-Cozinhe os alimentos a uma temperatura acima dos

70 ºC.

-Lave as mãos com água e sabão antes e depois de manusear alimentos e depois de ir á casa de banho, trocar fraldas e manusear animais de estimação.

-Higienize bem as frutas e vegetais antes de consumir, especialmente aqueles que não serão cozidos.

Listeria monocytogenes

Alimentos prontos para consumo, como carnes frias (Ex. fiambres, presunto), salsichas, saladas prontas. Também, queijos feitos com leite não pasteurizado.

 

-Cozinhe os alimentos a uma temperatura acima dos

70 ºC.

-Evite a contaminação cruzada, separando alimentos prontos para consumo de alimentos crus e seus exsudados.

-Lave as mãos com água e sabão antes e depois de manusear alimentos e depois de ir á casa de banho, trocar fraldas e manusear animais de estimação.

Salmonella

Ovos, aves e carne cruas ou mal cozidas, leite não pasteurizado, queijos, frutos do mar, e frutas e vegetais.

 

-Cozinhe os alimentos a uma temperatura acima dos

70 ºC.

-Não consuma ovos crus ou malcozidos

-Higienize bem os produtos antes de consumir.

Shigella

Saladas, vegetais crus, o leite e derivados e  aves.

 

-A lavagem das mãos é um passo muito importante para prevenir a shigelose. Lave as mãos com água e sabão antes e depois de manusear alimentos e depois de ir á casa de banho, trocar fraldas e manusear animais de estimação.

Staphylococcus aureus

Recheios de carne, saladas preparadas com ovo ou marisco, bolos com recheio, fiambre e gelados.

 

-As toxinas produzidas por esta bactéria são resistentes ao calor e não podem ser destruídas pelo cozimento, logo prevenir a contaminação dos alimentos antes que a toxina possa ser produzida é importante.

-Mantenha os alimentos quentes acima de 60°C e os alimentos frios abaixo dos 4°C.’

-Lave as mãos com água e sabão antes e depois de manusear alimentos e depois de ir á casa de banho, trocar fraldas e manusear animais de estimação.

-Limpe as bancadas da cozinha com água e detergentes desinfetantes antes e depois de preparar alimentos.

Vibrio vulnificus

Frutos do mar crus ou não cozidos (peixe ou mariscos); ostras.

 

-Evite o consumo de mariscos crus.

 -Cozinhe bem mariscos (polvo, lulas, amêijoas, mexilhões).

-Evite a contaminação cruzada, separando frutos do mar cozidos de frutos do mar crus e seus exsudados.

-Refrigere frutos do mar cozidos dentro de duas horas após o cozimento.

Fique atento!

Siga-nos